Containers – A Prática Comercial

Uma habitação de baixo custo para as massas supõe também agregação, visto que não faria sentido investir numa moradia com tais características que não possa ser somada a outras, resultando daí a economia de espaço tão desejada nas cidades. Estamos falando de literalmente empilhar as estruturas - no caso, containers, o que felizmente é fácil devido a sua resistência e forma simples que permite contato absoluto entre as faces adjacentes, sem deixar espaços inúteis. É, certamente, uma arquitetura que contempla mais a necessidade que o desejo.

Diversos projetos internacionais incluíram também formas de utilização energética de baixo custo e não agressivas ao meio ambiente, sendo uma das mais recorrentes o uso de painéis solares para o aquecimento de água. Em geral são baratas (levando-se em conta uma construção padrão) e podem ficar prontas em pouco tempo. Algumas nem sequer necessitam de montagem in loco devido à facilidade de transporte.

Mas não é necessário pensar de maneira essencialmente reduzida quando se fala nesse tipo de estrutura. Nada impede que dois containers empilhados funcionem como uma residência com dois “pavimentos” (depois das devidas adaptações), e a própria montagem dos módulos pode dar origem a estruturas maiores, com estilo e significado. Certos projetos chegam a utilizar várias “caixas” combinadas numa estrutura realmente dinâmica. Não são composições necessariamente previsíveis nem tampouco claustrofóbicas.


Os projetos Quick-House e LOT-EK Modular Home

Um dos melhores exemplos da viabilidade técnica do uso de containers em arquitetura é o projeto quick-house, de Adam Kalkin.















Trata-se de um programa de construção de moradias que já é utilizado (seu serviço é divulgado pela web) e transforma containers em residências completas, trabalhando até as inatalações hidráulicas e elétricas, as esquadrias e tudo mais que uma casa necessita. Apesar do trabalho ser padronizado para reduzir tempo e custos, o proprietário pode personalizar de acordo com a disponibiliadde financeira.


Leva cerca de três meses para ficar pronta e faz uso intenso de materiais reciclados. Também pode incluir energia eólica, telhado com vegetação e isolantes térmicos.






Adam Kalkin Também expandiu sua proposta para o setor comercial. A imagens acima e abaixo mostram o projeto do Café Express Illy.

Foi realizado a partir de um container que estava abandonado.










No link abaixo há um vídeo mostrando o processo acelerado de construção de uma "quick-house".

http://www.quik-build.com/quikHouse/CalifonTimeLapse.swf

Aqui temos o folheto explicativo do projeto em PDF:

http://www.quik-build.com/quikHouse/QuikHouseBooklet.pdf


Já a empresa LOT-EK Modular Home é uma das pioneiras a investir na transformação de containers em moradias ou estações de trabalho.










A proposta é de uma unidade que possa ser transportada e, principalmente, combinada com outras conforme a necessidade.










O projeto, iniciado em 2002, pretende ser uma solução em grande escala para os problemas habitacionais modernas.

Abaixo observamos o Pumas city, novo projeto que funciona como uma loja móvel de aproximadamente 1000m².











Muitos projetos esperam apenas por patrocínio para trabalhar numa escala que possa consolidar definitivamente essa nova visão arquitetônica como possível.




video




Fontes:
http://www.quik-build.com/index.htm
http://www.architectureandhygiene.com/main.html
http://bocaberta.org/2008/09/decorando-e-criando-belos-espacos-dentro-de-containers.html



Gabriela Rupf
Mirela Fazolo
Nei Parrini Jr.
Stella Hoppe
Wagner Gomes

Comentários

Postar um comentário